•  
  •  
  •  

    Iluminação


    A iluminação elétrica só foi implantada em 1909 pela firma Carneiro & Irmãos, mas antes desse período já se cogitava a possibilidade de dotar a cidade dessa iluminação. Enquanto isso não acontecia, de acordo com as Atas da Câmara Municipal de Uberabinha havia um tipo especial de iluminação pública – lampiões a gás. Antes, e mesmo depois da energia elétrica, além dos lampiões, as candeias e as lamparinas eram utilizadas na iluminação das residências após o pôr do sol.

    De acordo com depoimentos fornecidos ao Museu, as candeias eram utilizadas, sobretudo, pelas famílias de baixa renda em virtude de o combustível usado para acender o pavio, o azeite de mamona, ser de fabricação doméstica e, por isso, muito econômico. Apesar disso apresentava o inconveniente de ser de difícil locomoção, pois o recipiente onde fica acondicionado o combustível e o pavio, é aberto.

    Também a lamparina, apesar de ser toda fechada e um pouco mais sofisticada, apresentava o inconveniente da fuligem expedida pela combustão do querosene tingir de escuro o rosto daqueles que a utilizavam. A quantidade de lamparinas existentes em cada casa, dependia do poder aquisitivo das famílias, algumas possuíam apenas uma para iluminar toda a moradia.

    A ausência de energia elétrica, além de ter possibilitado a invenção de aparelhos como a candeia, a lamparina, o lampião e a vela, determinou as características de algumas atividades domésticas, comerciais e agrícolas influenciando o próprio lazer. Prova disso é que os utensílios caseiros, assim como as ferramentas de trabalho eram todos de funcionamento manual. Algumas dessas ferramentas e utensílios como o ferro de passar roupa à brasa e o pilão, também faziam parte do cotidiano das famílias mais abastadas.

    As opções de lazer também ficavam muito restritas à duração da luz natural, mas isso não quer dizer que as pessoas não se divertiam. Aquelas que tinham posse adquiriam um gramofone – aparelho movido à manivela, e com ele, preenchiam de música as pacatas e mal iluminadas noites da cidade.

      Av. Anselmo Alves dos Santos, 600 - Santa Mônica
      CEP: 38408-150 Fone: (34) 3239-2444