•  
  •  
  •  

    Escola Estadual de Uberlândia



    Praça Adolfo Fonseca, 141 – Centro


    Tombada como Patrimônio Histórico Municipal pela Decreto nº 9.904 de 13/06/2005
    Registrado no Livro do Tombo Histórico, Inscrição X, pág. 15.

    A Escola Estadual de Uberlândia tem sua história iniciada em 1915 com  a instalação do Ginásio de Uberabinha, instituição particular que funcionava de forma provisória em uma casa alugada, em condições precárias em local inadequado, sob a direção de Antônio Luiz da Silveira.

    Esta Instituição preparava os estudantes de Uberabinha para irem à cidade de Ribeirão Preto prestarem exames educacionais em outro colégio que era equiparado ao Colégio D. Pedro II, considerado referência nacional.

    Naqueles anos, algumas pessoas de grande influência política e econômica  da cidade decidiram que era necessário a construção de um prédio novo, comprometido com a arquitetura moderna, com as questões relacionadas à higiene, com os ideais de progresso e modernidade,  que fosse amplo, arejado, adequado às necessidades de um Gymnasio.

    Assim sendo, se organizaram e criaram a Sociedade Anonima “Progresso de Uberabinha”, com o objetivo de construir uma edificação destinada exclusivamente a abrigar uma escola, no caso, o Gymnasio de Uberabinha. O primeiro grande desafio da empreitada era a elaboração de um projeto que atendesse aos interesses do grupo.

    Desta forma, o Sr. Carmo Giffone, juntamente com outros, encomendaram, pelo valor de 1$000:000 (um conto de réis),  em São Paulo, a referida planta que era de autoria do Sr. J. Sachetti. Quando chegou à Uberabinha o trabalho ficou exposto nas vitrines da famosa casa comercial “Casa Americana”.

    Para administrar a obra  foi contratado, em novembro de 1919,  o construtor Sr. Ernesto  Giovanini.  Posteriormente, um segundo empreiteiro,  o Sr. Eduardo Boroni, assumiu os trabalhos e, finalmente, nos anos de 1920 o empreiteiro  Hermenegildo Ribas foi contratado pela Sociedade e concluiu a obra.

    Em agosto de 1921 a edificação estava pronta e  custou oficialmente  235:796$000 (duzentos e trinta e cinco contos e setecentos e noventa e seis mil réis) à Sociedade Anonima “Progresso  de Uberabinha “ e ocupou a área de  935 m2 dos 4.150 m2 da área total do terreno.

    O colégio funcionou até 1929 em regime particular. Nos primeiros anos sob a administração do Sr. Antônio Luiz Silveira que deixou o empreendimento nos anos de 1925. Desta data até nos anos de 1927 o Ginásio foi administrado pelo Sr. José Avelino e, posteriormente, de 1927 até final do ano de  1928,  pelo  Sr. José Ignácio de Souza.   Esta sucessão de administradores se deve às dificuldades financeiras  da instituição.

    No início dos anos de 1929  o prédio foi doado ao Estado de Minas Gerais, sem ônus para o Governo, para a instalação do Gymnásio Mineiro de Uberabinha. O Ginásio foi criado em 03 de janeiro de 1929 pelo Decreto Estadual nº. 8.958 e ofereceu internato para 120 alunos com capacidade para atender também alunos externos.

    O prédio da escola Estadual de Uberlândia pode ser considerado o melhor exemplar da arquitetura institucional eclética, com forte presença estilemas neoclássico. Sua fachada é marcada pela presença da porta central com verga de arco pleno encimada por duas janelas no nível do segundo pavimento, também com verga em arco-pleno, que se abrem para um pequeno balcão. De cada lado das aberturas centrais, há seis janelas, de vergas de arco abatido, distribuídas em dois panos marcados por pilastras,  no centro, apresenta-se um frontão de perfil recortado, tendo na parte superior a Estrela da República e, abaixo, o ano de inauguração do prédio (1921).

    Sua planta organiza-se em um volume horizontal que constitui a fachada frontal e três pavilhões iguais, dispostos paralelamente, que se articulam em posição ortogonal ao volume frontal, formando um “E” deitado. Sua construção emprega estrutura autoportante de tijolos maciços, alicerces de pedra.

    A instalação se deu em 30 de março de 1930. Ainda em 1930, durante a Revolução Constitucionalista, o prédio foi transformado em quartel general das Forças Revolucionárias do Triângulo Mineiro. Em 1942, na administração do Prof. Osvaldo Vieira Gonçalves, foram construídos um galpão com palco e um campo de basquete iluminado para uso noturno, calçou-se os pátios e foram feitos pintura e reparos gerais no prédio.

    Em 1973, o edifício passou por uma reforma geral, dentro do programa CARPE, do Estado de Minas Gerais, quando o assoalho de madeira foi retirado e substituído por cerâmica, a escada de acesso do primeiro ao segundo pavimento, de madeira, foi substituída por outra, de concreto.

    Em 1980 foram feitas várias intervenções: pintura geral, colocação de guarda-corpo de metal na escada interna, grades de proteção na portaria, o patamar de acesso à porta lateral esquerda do prédio foi fechado com alvenaria para instalação de uma copiadora, alteração nos usos de salas, colocação de grades nas janelas da fachada frontal do primeiro pavimento.
    Em 1992 o prédio foi novamente pintado. No terreno dos fundos, foram construídos vários anexos ao longo dos anos: cozinha, depósito, casa do zelador, marcenaria, uma quadra poliesportiva coberta com estrutura metálica (1974) e salas para laboratórios (1981). A fachada ainda conserva todos os elementos decorativos originais.

    Em 2006 o prédio passou por uma reforma geral. Nesta  ocasião, os profissionais responsáveis tiveram a sensibilidade de fazer as intervenções respeitando a  originalidade do bem. Durante as obras foram encontradas pinturas no roda teto da entrada principal, porém, como não estava previsto trabalho de restauro, as pinturas ficaram aparentes para uma posterior intervenção.     

    (As informações sobre a historicidade  da Sociedade Anonima “Progresso  de Uberabinha” assim como as informações referentes à construção do edifício da  Escola Estadual de Uberlândia   foram retiradas da dissertação de Mestrado: EDUCAÇÃO E O PROGRESSO: O GYMNASIO DE UBERABINHA E A SOCIEDADE ANONYMA PROGRESSO DE UBERABINHA (1919 – 1929) - Willian Douglas Guilherme)

      Av. Anselmo Alves dos Santos, 600 - Santa Mônica
      CEP: 38408-150 Fone: (34) 3239-2444