27º Festival de Dança da Prefeitura promove oficina de figurino cênico

Iniciativa oferecida gratuitamente estimula processo criativo para os palcos
19 de agosto de 2019
Compartilhar no whatsapp
Compartilhar no facebook
Compartilhar no twitter
Compartilhar no linkedin

Parte da programação do 27º Festival de Dança do Triângulo, as oficinas de capacitação para os amantes da dança seguem a todo vapor. Na manhã deste sábado (17), foi iniciada a capacitação “Figurino Cênico: compreensão e criação”, ministrada pela profissional de artes cênicas e moda, Fabianna Pescara. O workshop segue até domingo (18), realizado na Oficina Cultural. A iniciativa é desenvolvida pela Secretaria Municipal de Cultura.

A oficina “Figurino Cênico: compreensão e criação” ofereceu capacitação de nível básico, mesclando parte teórica e prática. A oficineira Fabianna Pescara possui formação em artes cênicas, formação técnica em estilo e estilismo e especialização em gestão de moda. Ela também desenvolve figurinos para teatro, dança, circo e audiovisual, foi indicada para premiações no estado do Paraná e tem no currículo passagem pelo Teatro Guaíra.

“Acho de grande importância que os profissionais da área criativa tenham contato com as áreas técnicas signícas. O Festival de Dança do Triângulo está sendo muito sábio nesse sentido de ter minicursos que envolvam as áreas de criação, e não somente a área técnica e do movimento. É uma iniciativa para os participantes buscarem novas referências e estudos”, destacou a oficineira.

Conteúdo amplo

Os participantes puderam aprender mais sobre definições, conceituações e signo, bem como desmistificar questões estéticas e compreender que o figurino tem o caráter de comunicar mensagens artísticas e estéticas de forma criativa e como componente de um conjunto de vários segmentos que dão forma ao espetáculo.

O bailarino e professor de dança Fernando Borges participou da oficina, ciente do valor da autonomia no processo criativo de todos os elementos de um espetáculo de dança. “É uma oportunidade única que temos de dar vida aos nossos personagens nas coreografias, abre a mente para outras artes. Atualmente, muitos coreógrafos e bailarinos estão copiando os figurinos da internet, e se perdem um pouco da parte criativa”, afirmou.

Compartilhe:

Compartilhar no whatsapp
Compartilhar no facebook
Compartilhar no twitter
Compartilhar no linkedin

Veja Também

All articles loaded
No more articles to load