Notícias

Alunos de escola municipal são premiados em três eventos nacionais

Unidade do bairro Tocantins tem 24 alunos premiados em olimpíadas e apresentações em projeto científico.
3 de outubro de 2019
Compartilhar no whatsapp
Compartilhar no facebook
Compartilhar no twitter
Compartilhar no linkedin

A manhã desta quinta-feira (3) na Escola Municipal Professor Mário Godoy Castanho, no bairro Tocantins, foi especial. Vinte e quatro alunos foram premiados após serem destaques em três eventos nacionais: Olimpíada Brasileira de Matemática das Escolas Públicas (Obmep), Olimpíada Brasileira de Astronomia (OBA) e o I Encontro de Professores com a Matemática Aplicada e Computacional dedicada à Educação Básica.

Medalhas, certificados e aplausos dos colegas marcaram a cerimônia de premiação, realizada no pátio da escola. O incentivo da unidade levou os alunos a descobrirem o potencial para a pesquisa e o gosto pela ciência. É o que a estudante do 5º ano, Maria Eduarda Cardoso revelou após ser reconhecida com a medalha de prata na OBA. “Gosto muito de estudar sobre os planetas e acho a ciência muito interessante. Foi muito boa a experiência. A professora passou muitos vídeos para nós, visitamos o Parque Gávea no ano passado.”

A orientação do professor de matemática fez Thaislane Brito ser a segunda colocada no encontro com professores do Brasil e do mundo na Universidade Federal de Uberlândia (UFU). Com um trabalho voltado para a matemática aplicada e computacional, a aluna do 9º ano valorizou o trabalho feito na escola. “Fui orientada e preparada pelo professor Ueslei. Estudei bastante e apresentamos o trabalho para professores da UFU e eles avaliaram e consegui o segundo lugar. No começo estava muito nervosa, depois fui me soltando e deu tudo certo”, disse.

Estímulo à matemática

Para desconstruir a ideia de que matemática é uma disciplina difícil, o professor Ueslei Ferreira Costa, da E.M. Prof. Mário Godoy Castanho, busca alternativas para o ensino em sala de aula. O intuito dele é mostrar aos alunos que “matemática não é um bicho de sete cabeças” e uma das maneiras encontradas é apresentar questões diferentes das que normalmente são vistas.

“Busco  sempre tentar passar para os alunos as possibilidades que eles podem tentar, as vantagens que o ensino e o conhecimento pode trazer para eles, buscando sempre motivá-los. Passo também que a matemática pode ser divertida e simplificada em muitos casos e tento trazer problemas diferentes que estão ligados no dia-a-dia dos alunos e com softwares de computadores”, explicou Ueslei que, junto com outros professores, orientou os estudantes na Obmep e no encontro na universidade.

O 1º Encontro de Professores com a Matemática Aplicada e Computacional foi um evento satélite do Congresso nacional sobre o tema realizado na UFU. O evento reúne pesquisadores do país e do mundo. De acordo com o professor da Faculdade de Matemática da UFU, Arlindo José, o encontro foi uma experiência importante para os alunos.

“Além de visitarem e conhecerem a universidade, eles apresentaram seus estudos e idéias no auditório com professores nacionais e internacionais. O projeto de iniciação científica é um momento em que estudam um pouco a mais de matemática e passam a ter prazer com a disciplina. Assim, eles vêem o quanto a matemática torna eles mais sabidos, mais sujeitos inclusos na sociedade, bem como desenvolve o potencial intelectual e científico”, observou Arlindo José.  

A diretora da escola municipal, Adriana Regiane Gonçalves, explicou que o objetivo é incentivar sempre os alunos a participarem de eventos em que possam desenvolver cada vez mais o conhecimento. A premiação, segundo ela, vale como um incentivo tanto para os primeiros colocados quanto para os demais estudantes.

“Temos  uma equipe boa e centrada na nossa escola que quer fazer com que o seu aluno brilhe. E isso é bom, porque os outros alunos vêem esses destaques e começam a valorizar mais os estudos e as avaliações externas que vêm com participações em eventos. Isso é muito interessante para as crianças. É uma coisa que as leva a batalhar mais, porque eles pegam aquilo que vivenciaram de prática e põem na sua teoria, no conteúdo, da sua prova”, afirmou a diretora.

Compartilhe:
Compartilhar no whatsapp
Compartilhar no facebook
Compartilhar no twitter
Compartilhar no linkedin

Veja Também

All articles loaded
No more articles to load