Notícias

Circuito Visualidades exibe produção artística de alunos e professores

Mostra com obras feitas pelos alunos da rede municipal ao longo do ano teve abertura nesta quinta (7)
8 de novembro de 2019
Compartilhar no whatsapp
Compartilhar no facebook
Compartilhar no twitter
Compartilhar no linkedin

Em sua 12ª edição, o Circuito Visualidades reúne produções artísticas de alunos de 18 unidades da rede municipal de ensino em uma exposição iniciada nesta quinta-feira (7), no Serviço Social do Comércio (Sesc). A mostra, que segue aberta para visitação até dia 13, reúne ilustrações, colagens, esculturas e registros audiovisuais confeccionados por cerca de 2.200 alunos da educação infantil e ensino fundamental sob orientação de 18 professores de Artes. 

O evento promovido pela Prefeitura de Uberlândia, por meio da Secretaria Municipal de Educação, integra a programação da 16ª Mostra de Visualidades. A partir desta sexta-feira (8), os alunos visitarão os espaços. As visitações no Centro Municipal de Estudos e Projetos Educacionais Julieta Diniz (CEMEPE) estão abertas ao público, de segunda a sexta, das 8 às 18h. Já no Sesc, a exposição fica aberta das 8 às 21h. 

A solenidade de abertura teve um bate-papo com o tema “Visualidades – Os caminhos percorridos, as lições aprendidas e expectativas”, realizado pelas professoras Eliane Tinoco, Ana Paula Tizo e Renata Peixoto. Já a professora Léa Zumpano França apresentou a história da Mostra/Circuito para o público de cerca de 30 participantes. 

A formadora de professores da equipe pedagógica do Cemepe, Adriana Auxiliadora Martins, explicou mais sobre a iniciativa. 

“O projeto é apoiado e incentivado pela Secretaria de Educação que permite a esses estudantes terem um intercâmbio com o repertório artístico de professores e outros alunos. Tudo isso vai ampliando e favorecendo a educação estética”, afirmou.

A coordenadora do grupo de professores de Artes do Cemepe, Marina Vargas, reconhece o evento como um momento importante para a criação de um olhar crítico e sensível para o mundo, além da autonomia das crianças enquanto criadores. 

“É um processo desenvolvido ao longo do ano com trabalhos baseados no que temos discutido em nossos grupos de formação. Trazemos proposta para repensar o espaço e nossa cultura, criar identidade, reforçar autoestima e dentre inúmeras questões favorecidas”, destacou.

Compartilhe:
Compartilhar no whatsapp
Compartilhar no facebook
Compartilhar no twitter
Compartilhar no linkedin

Veja Também