Notícias

Estudantes de Escolas Municipais apresentam trabalhos na Feira Ciência Viva

Ao todo fizeram parte da mostra 18 trabalhos de oito instituições da rede
13 de novembro de 2019
Compartilhar no whatsapp
Compartilhar no facebook
Compartilhar no twitter
Compartilhar no linkedin
Marco Crepaldi/Secretaria Municipal de Governo e Comunicação

Nesta quarta-feira (13), estudantes do 2º ao 9º ano de oito escolas municipais de ensino fundamental participaram da 24ª Feira Ciência Viva. A mostra de trabalhos seguiu o mesmo tema da 16ª Semana Nacional da Ciência e Tecnologia, “Bioeconomia, diversidade e riqueza para o desenvolvimento sustentável”.A mostra está aberta para visitação no campus Santa Mônica da UFU no bloco 5R até as 17h de hoje.

Durante o dia, foram apresentados 47 projetos de escolas públicas de Uberlândia. Destes, 18 pertenciam às Escolas Municipais: Professor Mário Godoy Castanho; Sebastião Rangel; Odilon Custódio Pereira; Antonino Martins da Silva; Sérgio de Oliveira Marquez; Sebastiana Silveira Pinto; Professora Gláucia Santos Monteiro e Doutor Joel Cupertino Rodrigues.

Os temas variaram entre economia circular, plantas alimentícias não convencionais, robótica, cafeicultura, economia solidária, entre outros. O evento é promovido pela Universidade Federal de Uberlândia (UFU), Museu Diversão com Ciência e Arte (Dica/UFU),Prefeitura Municipal de Uberlândia, Instituto de Educação, Ciência e Tecnologia do Triângulo Mineiro (IFTM).

Os premiados serão divulgados durante evento amanhã (14), 14h, no auditório Cícero Diniz do centro administrativo municipal Virgílio Galassi, com entrega de troféus, medalhas e certificados para os melhores trabalhos.

Marco Crepaldi/Secretaria Municipal de Governo e Comunicação

A participação,para a diretora da E.M. Antonino Martins da Silva, Viviane Pereira dos Santos, enriquece o conhecimento dos alunos. “A escola precisa preparar os alunos para uma formação acadêmica e, pensando nisso, a gente os incentiva desde pequenos a trabalhar com investigação, para que, quando eles cheguem à faculdade, possam fazer um trabalho científico de qualidade”, relatou.

A estudante Iasmin Borges Vasconcelos, do 9º ano E.M. Antonino Martins da Silva, mostrou um pouco do que aprendeu com o trabalho apresentado durante a feira. “Fizemos um trabalho sobre economia circular aplicada a artesãs do distrito de Martinésia e achei muito interessante, pois é um conceito que pode ser aplicado a negócios de todos os portes. A gente aprende, também, a apresentar de maneira mais formal e a trabalhar melhor no computador”, contou.

Já os estudantes do 5º ano da E.M. Mário Godoy Castanho tiraram a ideia do trabalho apresentado de uma caminhada realizada ao redor da escola no início do ano, onde encontraram um terreno baldio com alto descarte irregular de resíduos. Para a estudante Maria Eduarda Antunes Cardoso, a pesquisa trouxe o olhar para a necessidade de mudança do comportamento de cada um. 

“O trabalho vai ajudar a conscientizar as pessoas, porque a gente está consumindo muito lixo. Se a gente separar o lixo seco do úmido, por exemplo, a gente não vai estar poluindo tanto assim. Com atitudes simples a gente vai longe”, disse.

Conforme o coordenador da Feira Ciência Viva, Adevailton Bernardo dos Santos, o diálogo interinstitucional é forma de popularização da ciência. “Temos o objetivo que as escolas desenvolvam atividades de iniciação científica com seus estudantes. Então é uma forma onde os estudantes são mais ativos no aprendizado, então isso cria enormes condições para que eles se desenvolvam muito melhor e mais rapidamente”.

Compartilhe:
Compartilhar no whatsapp
Compartilhar no facebook
Compartilhar no twitter
Compartilhar no linkedin

Veja Também