Notícias

Uberlândia adere à Semana Mundial de Luta contra o Preconceito pela Hanseníase

Campanha “Janeiro Roxo” será iniciada nesta segunda-feira (20) com palestras nas unidades da de saúde. Ações acontecem em parceria com o Credesh/HCU-UFU
17 de janeiro de 2020
Compartilhar no whatsapp
Compartilhar no facebook
Compartilhar no twitter
Compartilhar no linkedin
Araípedes Luz/Secretaria Municipal de Governo e Comunicação

Considerada uma das doenças mais antigas da história da humanidade, a hanseníase (chamada de lepra no passado) tem cura e mecanismos para prevenir. Para desmistificar a enfermidade e levar mais informação à comunidade, a Prefeitura de Uberlândia aderiu às ações da Semana Mundial de Luta contra o Preconceito pela Hanseníase. A abertura das atividades acontece na segunda-feira (22), às 8h, na Unidade Básica de Saúde da Família (UBSF) do bairro Campo Alegre.

Serão cinco dias de atividades, com palestras e rodas de conversa sobre sinais, sintomas, a importância do diagnóstico precoce da doença e do tratamento. As ações acontecem em parceria entre a Secretaria de Saúde, por meio da Vigilância Epidemiológica, com o Centro de Referência Nacional em Dermatologia Sanitária e Hanseníase do Hospital de Clínicas da Universidade Federal de Uberlândia (Credesh/HCU-UFU), o Movimento de Reintegração da Pessoa Atingida pela Hanseníase (Morhan), da Casa das Bem Aventuranças (CBA), da Sociedade Brasileira de Hanseologia  e do Instituto Aliança Contra a Hanseníase (AAL).

Quebrando tabus

Segundo a coordenadora da Vigilância Epidemiológica, Elaíze Maria Gomes de Paula, a expectativa é combater ainda mais o tabu relativo à doença. “Elaboramos um cronograma de ações durante toda a semana, com palestras e bate-papos com a comunidade. Envolvemos asequipes, desde técnicos de enfermagem, agentes comunitários de saúde, médicos e enfermeiros. Com o diagnóstico precoce, o tratamento será mais eficaz e fundamental para quebrar de uma vez por todas o preconceito que envolve a doença”, destacou.

Acolhimento e Tratamento na rede pública       

A hanseníase é causada por um parasita (Mycobacterium leprae, ou bacilo de Hansen) que ataca a pele e os nervos em volta da área afetada. É infectocontagiosa e manifesta-se principalmente por meio de lesões na face, mãos, braços, pernas, costas e pés. Dor, sensibilidade, aparecimento de manchas brancas e vermelhas, dormência e perda de força nos músculos são alguns dos seus principais sintomas. Ainda que o tempo de multiplicação do bacilo seja lento (em média de 11 a 16 dias), o parasita pode permanecer no organismo humano de dois a sete anos.

É transmitido de uma pessoa por via respiratória (espirro e tosse), especialmente por meio do convívio íntimo e prolongado. Todo o acolhimento e tratamento é oferecido pelo Sistema Único de Saúde (SUS). O diagnóstico precoce da hanseníase e o tratamento adequado evitam a evolução da doença. Se não tratada, a enfermidade pode provocar incapacidades físicas que podem evoluir para deformidades nos pés, olhos e mãos.

A porta de entrada para o atendimento é pelas unidades básicas de saúde da rede municipal, conforme explica a coordenadora da Vigilância Epidemiológica. “Qualquer sintoma, pedimos para que a pessoa procure a unidade de saúde de sua referência para ser examinada e fazer os testes. A partir disso, esse paciente é encaminhado o Credesh, onde será finalizado o diagnóstico e iniciado o tratamento, que é feito com medicamento oral por seis meses a um ano, dependendo da classificação da doença. Quanto mais rápido esse processo, maiores as chances de evitar sequelas e deformidades que podem ser causadas”, salientou Elaíze.

Sinais e sintomas: 

– Áreas na pele que ficam secas, sem pelo, sem suor e com perda de sensibilidade;
– Manchas esbranquiçadas ou avermelhadas, e caroços na pele;
– Dormência e/ou formigamento, que podem ser percebidos como coceiras, ardência, em qualquer parte do corpo, principalmente em pés e mãos;
– Dor nos nervos responsáveis pela sensibilidade e a força nos braços e pernas; 

Confira a programação:

20/1 (segunda-feira):

 8h –  Abertura da Semana – UBSF Campo Alegre

21/1(terça-feira):

18h30 – Roda de conversa na sala de espera – UBS Tocantins


22/1 (quarta-feira):

8h – Roda de conversa na sala de espera – UAI Roosevelt

19h30 – Roda de conversa na sala de espera – UBS Brasil

23/1 (quinta-feira):

8h – Roda de conversa na sala de espera – UBS Dom Almir

10h – Roda de conversa na sala de espera – UAI Tibery


24/1 (sexta-feira):

8h – Roda de conversa na sala de espera – UAI Luizote

13h30 – Roda de conversa na sala de espera – UAI Luizote

Compartilhe:
Compartilhar no whatsapp
Compartilhar no facebook
Compartilhar no twitter
Compartilhar no linkedin

Destaques

All articles loaded
No more articles to load

Veja Também

All articles loaded
No more articles to load