Notícias

Crianças precisam receber dose de reforço da Febre Amarela em 2020

Com o retorno da segunda dose neste ano, crianças que completaram 4 anos a partir de 2017 devem se vacinar
29 de janeiro de 2020
Compartilhar no whatsapp
Compartilhar no facebook
Compartilhar no twitter
Compartilhar no linkedin
Marco Crepaldi/Secretaria Municipal de Governo e Comunicação

A febre amarela é uma doença infecciosa febril aguda causada por um vírus, que é transmitido pela picada dos mosquitos transmissores infectados (Aedes aegypti no caso da febre amarela urbana) e não há transmissão direta de pessoa a pessoa. Para 2020, o Ministério da Saúde adotou novas diretrizes para a vacinação, que é gratuita e está disponível nas 74 salas de vacinas da rede pública de Uberlândia.

Com a mudança, há novamente a dose de reforço para crianças com 4 anos de idade, conforme explica a coordenadora do Programa Municipal de Imunização, Claubia Oliveira. “Desde 2017, seguíamos a recomendação do Ministério da Saúde, baseada nas orientações da Organização Mundial da Saúde, de adotar apenas uma dose da febre amarela durante toda a vida. Agora, as crianças que recebem a primeira dose aos nove meses devem vacinar novamente aos 4 anos, inclusive aquelas que completaram essa idade em 2017 e não tomaram. Ou seja, as crianças que em 2020 completam sete, seis e cinco anos devem ser vacinadas”, destacou.  

A justificativa do Ministério da Saúde para a mudança é baseada em estudos recentes que apontaram uma diminuição precoce de anticorpos para a doença quando a criança é vacinada muito cedo, como indica o Calendário Nacional de Vacinação, além de uma falha no esquema vacinal. Para que estas crianças recebam as doses de reforço, o Programa de Imunização intensificou a busca ativa por meio dos profissionais da saúde que trabalham nas salas de vacina, em parceria com os agentes comunitários de saúde das unidades básicas.

A doença tem importância epidemiológica por sua gravidade clínica e potencial de disseminação em áreas urbanas infestadas pelo mosquito Aedes. Por isso, os profissionais da Secretaria de Saúde enfatizam constantemente a importância de manter o cartão de vacina atualizado e eliminar os criadouros do mosquito Aedes Aegypti, responsável pela transmissão do vírus. 

Compartilhe:
Compartilhar no whatsapp
Compartilhar no facebook
Compartilhar no twitter
Compartilhar no linkedin

Veja Também