Notícias

Prefeitura viabilizará mais uma unidade de saúde para a população

Secretaria Municipal de Saúde também esclarece a inviabilidade do uso da UPA Norte
24 de março de 2020
Compartilhar no whatsapp
Compartilhar no facebook
Compartilhar no twitter
Compartilhar no linkedin

Para minimizar as consequências da pandemia provocada pelo novo coronavírus, a Prefeitura de Uberlândia tem adotado várias estratégias a fim de proteger a comunidade e resguardar a saúde coletiva e individual de todos. Além dos decretos com as recomendações para os serviços oferecidos na cidade, a Administração Municipal requereu, na última segunda-feira (23), a utilização do onde funcionava o hospital Santa Catarina. A medida já foi publicada no Diário Oficial.

Com a requisição para utilização do local, uma equipe de trabalho começará em breve a atuar para colocar em funcionamento 20 leitos de Unidades de Tratamento Intensivo (UTIs) e outros leitos existentes no hospital, além de todos os equipamentos disponíveis no local. Com isso, a comunidade terá à disposição mais um local de atendimento específico para o tratamento da COVID-19.

Unidade de Pronto Atendimento (UPA)

Buscando ser transparente com a população, a Prefeitura de Uberlândia também esclarece sobre a inviabilidade de uma possível utilização da estrutura onde funcionaria a Unidade de Pronto Atendimento (UPA) Norte (Pacaembu) neste momento de pandemia.

Conforme relatório emitido pela Controladoria-Geral da União (CGU), a edificação apresenta uma série de falhas e patologias consideradas graves.  Outra análise realizada pela Secretaria Municipal de Saúde e pelo Corpo de Bombeiros em 2017 e com o acompanhamento do Conselho Municipal de Saúde -, aponta que a UPA Norte possui 25 inconformidades estruturais, sendo 12 aspectos críticos, que impactariam diretamente no funcionamento da unidade e na segurança dos profissionais e pacientes.

Os pontos foram divididos em situações críticas, maiores e menores. Para fazer as devidas correções que permitissem a unidade funcionar como pronto atendimento, a Secretaria Municipal de Saúde estima que seriam necessários aproximadamente R$ 3 milhões e mais seis meses de obra.

Com a inviabilidade do recurso para reparar as irregularidades, a Prefeitura de Uberlândia solicitou ao Ministério da Saúde em 2019 o reaproveitamento da estrutura para a instalação do Centro Especializado de Reabilitação (CER). O local seria um espaço de reabilitação física, visual e intelectual, com atendimento especializado de fisioterapia, fonoaudiologia, terapia ocupacional, psicologia, serviço social e enfermagem. O município aguarda o deferimento do pedido pelo Ministério da Saúde.

Veja abaixo algumas inconformidades que impedem a utilização da UPA Norte:

 – Não foi apresentado projeto de blindagem para a sala do Raio-x ou detalhamento do modelo utilizado na blindagem que é necessário para a proteção contra os efeitos nocivos da radiação para quem trabalha e frequenta a unidade;- Existem nove irregularidades pendentes junto ao Corpo de Bombeiros, conforme relatório de vistoria de 22 de dezembro. Um dessas pendências é o projeto de Prevenção e Combate à Incêndio e Pânico que não foi aprovado; – Não tem instalação do tanque de oxigênio líquido. Para evitar situação de desabastecimento, é recomendado que tenha esta instalação; – Sistema de condicionamento de ar dos leitos e da sala de estabilização (emergência) não foi construído;   – A área definida para os compressores de ar medicinal está próxima do sistema de vácuo, e isto pode levar à capacitação de ar medicinal contaminado; – Sala de esterilização não está operacional, colocando em risco a qualidade do atendimento ao público. A estrutura física foi alterada devido às dimensões da autoclave adquirida, prejudicando o processo de desinfecção e esterilização – A instalação hidráulica da unidade apresenta falhas que comprometem o fornecimento regular da água potável para os funcionários e pacientes; – Gerador instalado não tem tratamento acústico, o que provocará desconforto à equipe clínica e ao público quando for utilizado; – Sistema de proteção contra descargas atmosféricas, incluindo para-raios e aterramentos, ainda não tem laudo técnico comprovando a funcionalidade. Isso coloca em risco o funcionamento dos equipamentos de saúde da Unidade, bem como a proteção contra choque elétrico de quem estiver no local. – Falta de exaustão em diversos locais, como banheiros, expurgos e DMLs. Este equipamento evita mofo e eliminam odores, sendo uma exigência da Vigilância Sanitária;- Sistema “Steel Framing –  Drywall” apresenta deterioração e fissuras nas placas internas dos painéis de fechamento de gesso. Isso provoca um alto custo de manutenção predial à Unidade. 

Confira aqui o que diz o trecho do relatório da CGU acerca da estrutura da UPA Pacaembu.

Compartilhe:
Compartilhar no whatsapp
Compartilhar no facebook
Compartilhar no twitter
Compartilhar no linkedin

Veja Também