Notícias

CCZ vacina mais de nove mil animais contra a raiva na zona rural

Primeira etapa da Campanha da vacinação antirrábica acontece até dia 30 de outubro
22 de outubro de 2020
Compartilhar no whatsapp
Compartilhar no facebook
Compartilhar no twitter
Compartilhar no linkedin

Desde o dia 28 de setembro, as equipes do Programa de Controle da Raiva, do Centro de Controle de Zoonoses (CCZ), estão percorrendo a zona rural de Uberlândia para imunizar contra a raiva os cães e gatos. A ação faz parte da primeira etapa da 36ª Campanha de Vacinação Antirrábica, que já garantiu a proteção de 9.900 animais nesta região.

Nesta fase, os agentes percorrem a zona rural do município de segunda a sexta-feira, das 7h30 às 17h30. Devem receber a dose cães e gatos com mais de três meses de vida, com exceção daqueles que estejam doentes ou no período de gestação ou lactação. Para manter a eficiência dos trabalhos na zona rural, a coordenadora do programa, Lilian Vieira de Andrade, reforça que a colaboração dos proprietários é fundamental.

“Nosso trabalho é ir de porta em porta. Por isso, pedimos o apoio de todos para que liberem a entrada em suas propriedades para nossos profissionais, que estarão uniformizados, com a identificação de servidor da prefeitura e com equipamentos de segurança devido à pandemia”, coloca Andrade.

A coordenadora também explicou que, caso os proprietários queiram ser informados de quando alguma equipe estiver próxima à propriedade, basta ligar no (34) 3213-1470 e deixar o telefone de contato.

A Campanha de Vacinação Antirrábica se estende até o dia 30 de outubro na zona rural. Na zona urbana os trabalhos começam no sábado, dia 7 de novembro, e seguem durante a semana do dia 9 a 14 do mesmo mês.

Combate à Raiva     

As ações do Programa de Controle da Raiva acontecem permanentemente durante todo o ano, com orientações, trabalhos de bloqueio e monitoramento do vírus, além de um posto de vacinação no CCZ. Um conjunto de fatores que deixa Uberlândia há mais de 30 anos sem registros da doença em cães e gatos.

Embora o município apresente uma realidade positiva, a participação da comunidade é fundamental para manter os índices atuais. A doença não tem cura e leva os animais à morte em poucos dias após o surgimento dos primeiros sintomas. O mesmo acontece com o ser humano se não procurar atendimento médico rapidamente após ser mordido por algum cão ou gato.

Compartilhe:
Compartilhar no whatsapp
Compartilhar no facebook
Compartilhar no twitter
Compartilhar no linkedin

Veja Também