Notícias

Hospital Municipal completa 150 procedimentos cardíacos em um mês

Estrutura de hemodinâmica montada pela Prefeitura já é uma das referências nacionais no setor público
23 de dezembro de 2020
Compartilhar no whatsapp
Compartilhar no facebook
Compartilhar no twitter
Compartilhar no linkedin

Em atendimento à população desde o fim de novembro, o setor de hemodinâmica do Hospital e Maternidade Municipal Doutor Odelmo Leão já possibilitou a realização de 150 procedimentos cardíacos de alta complexidade que, constitucionalmente, seriam de responsabilidade do Estado e da União. O equipamento, viabilizado pela Prefeitura com recursos da Secretaria Municipal de Saúde, foi implantado seguindo padrões de qualidade internacionais e reforçando o compromisso de atender a comunidade com agilidade e eficácia.

Os principais procedimentos possibilitados são os cateterismos e angioplastias, principalmente em pacientes de alto risco de infarto e angina. O setor permite, também, o tratamento das doenças estruturais do coração, tais como: doenças das válvulas e congênitas, além de tratamentos de doenças neurológicas e vasculares cerebrais.

Hospital Municipal completa 150 procedimentos cardíacos em um mês 1
Fotos: Valter de Paula – Secretaria Municipal de Governo e Comunicação/PMU

O cardiologista coordenador do setor no Hospital Municipal, Roberto Botelho, enfatiza que o passo seguinte à fase de implantação e treinamentos de qualidade prevê ampliação dos atendimentos sem abrir mão das normas de biossegurança.

Não há nenhum procedimento que seja feito no melhor centro do Estados Unidos ou Japão que não possamos fazer aqui. Esse amadurecimento nos permite ter a mais alta complexidade da cardiologia instalada em hospital público. Esses 150 atendimentos iniciais têm representatividade por serem os primeiros, mas teremos um volume mensal ainda maior. Toda cidade mundial tem filas, então o que buscamos fazer é hierarquizar pra chegar a nível zero na espera de atendimentos para infartos e angina instáveis”, destacou.

O coordenador destaca ainda que o serviço oferecido conta com uma equipe focada na excelência nos atendimentos em conjunto com a toda a rede municipal de saúde e, principalmente, a garantia de mais qualidade de vida aos pacientes.

“Para se fazer um serviço como este, as pessoas são o ativo de maior valor, pois são profissionais de longos anos de treinamento para chegarem a esse nível de resolução. Temos um time que foi incorporado para a prática do Hospital e está sincronizado com as outras equipes de UTI, redes e unidades de saúde”, acrescentou Roberto Botelho.

Agilidade com satisfação

Hospital Municipal completa 150 procedimentos cardíacos em um mês 2
Milton Martins é um dos atendidos / Fotos: Valter de Paula – Secretaria Municipal de Governo e Comunicação/PMU

A agilidade nos procedimentos é um destaque entre os mais de 150 pacientes atendidos no setor de hemodinâmica. O caminhoneiro Milton Martins, de 51 anos, é um deles.  Ele apresentou dores agudas no tórax e buscou atendimento na UAI Martins. Graças à medicação no momento certo, o infarto foi interrompido e o paciente encaminhado o Hospital Municipal, onde realizou cateterismo e na terça (22) e já foi encaminhado para angioplastia e implantação de stand na manhã desta quarta (23).

“Meu coração quis me assustar, mas já cheguei no hospital passando pela internação e fiz cateterismo. Com essa minha experiência, posso dizer que a equipe está de parabéns, fui muito bem atendido, a estrutura é boa e a aparelhagem está bem montada. Vai ser um passo para os atendimentos em Uberlândia serem ainda mais tranquilos”, disse.

Adaptação estrutural

Hospital Municipal completa 150 procedimentos cardíacos em um mês 3
Foto: Valter de Paula – Secretaria Municipal de Governo e Comunicação

Para a obra de adaptação da sala e a compra do aparelho, a Prefeitura investiu aproximadamente R$ 4 milhões. O trabalho estrutural foi feito pela empresa Lok Service Tecnologia Eireli, vencedora da licitação.

“Por ser procedimentos de média a alta complexidade, esses serviços eram ofertados somente pelo HC-UFU. Porém, há algum tempo o prestador de serviço já não estava conseguindo acompanhar as necessidades da comunidade. Por isso, pedimos ajuda ao Ministério da Saúde, que nos ajudou a viabilizar este setor. Portanto, não podíamos continuar dependendo do único prestador de serviço na cidade para a realização destes exames que ajudam a salvar vidas”, explicou o prefeito Odelmo Leão.

A sala do sistema de hemodinâmica foi dividida em três áreas: sala de exames e procedimentos cirúrgicos (onde ficará o equipamento), setor de comando (onde permanecem os técnicos que auxiliam os médicos) e área técnica, para abrigar os painéis elétricos. Além disso, também foi necessário reformar outro espaço para abrigar a sala de recuperação pós-anestésica.

Compartilhe:
Compartilhar no whatsapp
Compartilhar no facebook
Compartilhar no twitter
Compartilhar no linkedin

Veja Também