Notícias

Estação de Tratamento de Água recebe o nome do deputado Luiz Humberto Carneiro

Lei de autoria do prefeito Odelmo Leão foi aprovada pelo Legislativo; terceiro complexo de captação e produção irá reforçar abastecimento em Uberlândia
14 de junho de 2021
Compartilhar no whatsapp
Compartilhar no facebook
Compartilhar no twitter
Compartilhar no linkedin

O prefeito Odelmo Leão publicou no Diário Oficial do Munícipio do último dia 11 de junho a Lei Municipal 13.500, que denomina de Deputado Luiz Humberto Carneiro a Estação de Tratamento de Água (ETA), localizada às margens da represa de Capim Branco. A lei, de autoria do Executivo, foi aprovada na Câmara na sétima sessão ordinária. A iniciativa é uma homenagem póstuma ao parlamentar pelos relevantes serviços prestados na vida pública em prol de Uberlândia e do Triângulo Mineiro.

Para o prefeito Odelmo Leão, homenagear o deputado Luiz Humberto Carneiro é um reconhecimento da importância das ações do parlamentar em sua vida pública que sempre batalhou pelo desenvolvimento de Uberlândia. “Luiz Humberto que, por tantos anos, trabalhou pela nossa gente, não só daqui, mas de Minas Gerais e do Brasil, terá seu nome eternizado na história da nossa cidade”, afirmou.

Também, o diretor geral do Dmae, Adicionaldo dos Reis Cardoso, ressaltou que a escolha do nome do deputado para a nova ETA foi uma decisão de muito valor. “Parabenizo o prefeito por essa sábia escolha para o nome do complexo de captação e tratamento de água que vai beneficiar nossa população”.

Atualmente, a ETA encontra-se em pré-operação e deve entrar em funcionamento no próximo mês. Na etapa atual, estão sendo realizados testes na parte elétrica, mecânica, automação, química e estanqueidade das estruturas civis. Incluindo os sistemas de motobombas da captação de água bruta e da elevatória de água tratada.

O sistema ocupa uma área de 129.243,95 m² (ETA e Captação) e é composto por uma estação de tratamento, 20 km de adutoras, reservatório com capacidade de 10 milhões de litros, unidade de tratamento de resíduos e casa de química, elevatória de bombas, caixa de transição, painéis elétricos, subestação e canal de captação de água bruta. O sistema foi planejado para ser ampliado em uma segunda e terceira etapas com capacidade de triplicar a produção de água (6 mil litros por segundo).

Histórico

O novo sistema de captação e produção de água às margens da represa de Capim Branco começou a ser pensado ainda na década de 90, quando o então prefeito Virgílio Galassi firmou um convênio com a Companhia Energética de Minas Gerais (Cemig) para possibilitar a captação de água do Rio Araguari. Naquela época ainda não existia o atual sistema de outorga e foi exatamente esse convênio que assegurou ao município de Uberlândia o direito a usar essa água quase 30 anos depois da assinatura, firmada em 10 de abril de 1991.

O projeto concebido por Galassi previa a captação, inicialmente, na represa de Miranda e alertava para a distância e o desnível entre a usina e o município deixando claro que um estudo de viabilidade técnica apontaria a melhor solução. Após análise, optou-se pela captação na represa de Capim Branco. Como o pedido do ex-prefeito era para o Rio Araguari, a única mudança foi o local de captação, que não afetou a disponibilidade hídrica do curso d’água.

O prefeito Odelmo Leão então deu continuidade ao projeto, adequando às condições atuais e, ao final do seu segundo mandato, em 2012, deixou pronto – com dotação orçamentária – para iniciar a execução. “O prefeito Virgílio foi um homem visionário, que pensava e se preocupava não somente com o presente, mas com o futuro. Graças a essa capacidade de gestão dele é que viabilizamos esse projeto”, destacou o prefeito Odelmo Leão.

Complexo de Captação e Produção Luiz Humberto Carneiro é composto por:

Calha Parshall: dispositivo inicial do tratamento de água. Área construída de cerca de 450 m² em canal aberto e capacidade de vazão de até 6 mil litros por segundo.

Circuito de Potabilidade: ocupa uma área de 4,2 mil m² e conta com floculadores, decantadores, casa de química e filtros.

Reservatório: Capacidade para 10 milhões de litros na 1ª etapa. São responsáveis pelo armazenamento da água potável produzida na ETA.

Conjunto de 10 motobombas: Estão instaladas. São responsáveis pelo bombeamento da água da represa até a ETA e, depois, da ETA até a caixa de transição. 

Unidade de Tratamento de Resíduos: Vai tratar o lodo da ETA, que sairá pronto para um destino ambientalmente adequado.

Caixa de Transição – A construção da caixa (com 28,25 metros de altura – o equivalente a um prédio de 10 andares). Capacidade de armazenamento 500 mil litros. É responsável pela passagem do regime de bombeamento para o regime de gravidade com destino ao Cento de Reservação Custódio. 

Quatro Tanques Amortecedores Unidirecionais (TAUs) – Instalados ao longo das adutoras de água bruta e tratada, os TAUs são dispositivos de segurança no bombeamento da água interligados às tubulações.

Canal de Captação – Composto por Subestação de Energia e Elevatória de Água Bruta. A elevatória de água bruta será responsável por retirar a água da represa e enviar para a ETA.

Adutoras – São 20 km. E serve para transportar a água da represa até o reservatório do bairro Custódio Pereira. De lá segue para as residências.

Compartilhe:
Compartilhar no whatsapp
Compartilhar no facebook
Compartilhar no twitter
Compartilhar no linkedin

Veja Também