Notícias

Paratleta da equipe CDDU/Futel fala sobre convocação para Jogos Paralímpicos

Em Minas Gerais, Uberlândia é a cidade com o maior número de paratletas na delegação brasileira que vai para Tóquio
12 de julho de 2021
Compartilhar no whatsapp
Compartilhar no facebook
Compartilhar no twitter
Compartilhar no linkedin

Aos 28 anos de idade, o paratleta Mateus Carvalho, da equipe do Clube Desportivo para Deficientes de Uberlândia (CDDU) – associação parceira da Fundação Uberlandense do Turismo, Esporte e Lazer (Futel) – tem uma série de conquistas nacionais e internacionais na bocha. A mais recente foi a convocação para os Jogos Paralímpicos de Tóquio, ocorrida nesta semana. Para se preparar para a competição, Mateus está participando, em São Paulo, desde a última quinta-feira (8), da última fase de treinamento da seleção brasileira de bocha paralímpica antes dos Jogos Paralímpicos de Tóquio, competição que acontecerá entre 24 de agosto e 5 de setembro.

Paratleta da equipe CDDU/Futel fala sobre convocação para Jogos Paralímpicos 1

Segundo ele, a Futel teve um papel bastante importante não apenas em sua convocação para os Jogos Paralímpicos, mas em toda a sua trajetória como paratleta. “Eu comecei na natação, mas, por mais que eu treinasse, não conseguia alcançar bons desempenhos. Além disso, desenvolvi alergia ao cloro, o que me levou a procurar outra modalidade. Em 2012, falei sobre esta situação com o profissional de educação física da Futel, Weverton Santos, e com a Emilene Santos, que na época era servidora da Futel, e eles me indicaram o também profissional de educação física da Futel, Glênio Fernandes, treinador de bocha da CDDU/Futel. Eu já havia sido apresentado à modalidade em 2010, mas não fiquei empolgado. Dessa vez, no entanto, fiquei muito animado e, desde então, passei a ser atleta de bocha, acompanhado pelo meu pai, o assistente esportivo Oscar Carvalho, também convocado para os Jogos Paralímpicos de Tóquio”, disse.

Paratleta da equipe CDDU/Futel fala sobre convocação para Jogos Paralímpicos 2

Desde então, Mateus obteve grandes conquistas, como o bicampeonato brasileiro (2015 e 2018), a medalha de ouro na Copa América de pares e equipes (2015), a medalha de prata (individual) e a medalha de ouro (pares) no Campeonato Regional das Américas (2018), a medalha de ouro (pares) e a de bronze (individual) na Copa América (2019), além do ouro (pares) nos Jogos Parapan-Americanos de Lima (2019).

Agora, ele se prepara para disputar, pela primeira vez, os Jogos Paralímpicos. “A convocação com certeza foi uma conquista muito importante, que me trouxe uma felicidade imensa e é até difícil descrever em palavras toda essa emoção. Vamos em busca do nosso melhor desempenho, com muita força e vontade, tendo como objetivos principais fazer grandes jogos e representar nossa cidade”, completou.

Trabalho contínuo

A convocação tem relação direta com o trabalho desenvolvido pela Futel, que, mesmo durante a pandemia, manteve a rotina de treinamento dos paratletas de alto rendimento, com chances de convocação para competições internacionais. Desde setembro do ano passado, Mateus e Oscar treinam no Centro de Iniciação ao Esporte (CIE), com todos os cuidados preventivos necessários, como aferição de temperatura e uso de máscara de proteção e álcool em gel.

Convocação

No anúncio feito pelo Comitê Paralímpico Brasileiro (CPB), na tarde de terça-feira (6), foram convocados sete profissionais de associações parceiras da Futel: os paratletas Lara Lima (halterofilismo), Mateus Carvalho (bocha) e Rodrigo Parreira (atletismo), os assistentes esportivos Oscar Carvalho (bocha) e Jovanna Costa (bocha), o treinador Weverton Santos (halterofilismo) e o fisioterapeuta Vander Fagundes (halterofilismo), todos da CDDU/Futel, com exceção de Rodrigo Parreira, da Aparu/Futel.

Ao todo são onze paratletas convocados na cidade, sendo três deles de equipes da Futel com associações parceiras, tornando Uberlândia a cidade mineira com o maior número de paratletas na delegação brasileira que vai para Tóquio.

Maior delegação da história

A delegação brasileira tem 250 atletas, além de comissão técnica, médica e administrativa. Esta será a maior missão nacional paralímpica fora do país. A modalidade com o maior número de atletas é o atletismo com 64 atletas e 18 atletas-guia. A natação será a segunda modalidade com o maior número de representantes, com 35 nadadores.

Também de Uberlândia, estão na delegação brasileira o chefe de missão, professor Alberto Martins da Costa; o tenista do Praia Clube, Gustavo Carneiro; os nadadores do Praia Clube Gabriel Bandeira, Gabriel Melone, João Pedro de Oliveira, Laila Suzigan, Ruan Felipe de Souza e Vanilton do Nascimento Filho e o treinador Alexandre Vieira.

Compartilhe:
Compartilhar no whatsapp
Compartilhar no facebook
Compartilhar no twitter
Compartilhar no linkedin

Veja Também