Notícias

PIB de Uberlândia cresce e se mantém entre os 25 maiores do Brasil

Indicador do IBGE tem o ano de 2019 como referência e mostra o município com o 4º maior PIB entre cidades do interior do Brasil e o 21º no ranking geral
17 de dezembro de 2021
Compartilhar no whatsapp
Compartilhar no facebook
Compartilhar no twitter
Compartilhar no linkedin

Uberlândia mantém os bons resultados conquistados desde o retorno da gestão do prefeito Odelmo Leão, em 2017, ao governo municipal. Com a divulgação nesta quinta-feira (17) da atualização do levantamento sobre o Produto Interno Bruto (PIB) dos Municípios pelo Instituto Brasileiro de Geografia Estatística (IBGE), a segunda maior cidade de Minas Gerais manteve o 4º lugar entre as cidades do interior do Brasil com o maior PIB. No ranking geral, a cidade também se manteve na 21ª posição, ficando à frente de 16 capitais e de importantes centros urbanos como Paulínia (SP), Sorocaba (SP) e Ribeirão Preto (SP).

O levantamento feito pelo IBGE leva em consideração os valores relacionados aos três setores de atividade econômica, que são Agropecuária, Indústria e Serviços, além dos setores públicos de administração, saúde, educação e seguridade social e os impostos sobre produto. Em Uberlândia, o destaque ficou para o setor de Serviços, que representou quase 47% do PIB da cidade. Em comparação ao ano referência anterior, de 2018, o PIB aumentou de R$ 37,4 bilhões, para R$ 37,6 bilhões, e com um PIB per capita de R$ 54,4 mil. Em Minas Gerais, Uberlândia tem a segunda maior atividade econômica – atrás apenas da capital, Belo Horizonte – e a primeira entre as cidades do interior.

PIB de Uberlândia cresce e se mantém entre os 25 maiores do Brasil 1

O desempenho da cidade indica que as políticas públicas da administração municipal focada nos setores prioritários (Saúde, Educação, Social e Infraestrutura) e na facilitação ao empreendedor tem dado resultados. Em 2019, por exemplo, a cidade registrou números positivos no Cadastro Geral de Empregados e Desempregados (Caged), do Ministério da Economia. O ano foi encerrado com saldo positivo de 4.067 postos de trabalhos criados, colocando o município entre as cinco cidades do interior do país que mais geraram empregos na época.

Naquele ano, o Município conseguiu atrair investimentos de porte, como a ampliação do Center Shopping, com aporte de R$ 80 milhões; a chegada do empreendimento da Tamboré Urbanismo, que através da Tegra Incorporadora, investiu R$ 43 milhões, no ano, com estimativa de Valor Geral de Vendas (VGV) de R$ 110 milhões; e o investimento de R$ 40 milhões da Alsol, na criação de parques solares na cidade, por exemplo.

Compartilhe:
Compartilhar no whatsapp
Compartilhar no facebook
Compartilhar no twitter
Compartilhar no linkedin

Veja Também