Notícias

Pesquisa do Procon revela variação de 130% no preço de pescados

Realizada em quatro datas diferentes, o quilo do bacalhau foi cotado entre R$68,00 a R$159,00
13 de abril de 2022
Compartilhar no whatsapp
Compartilhar no facebook
Compartilhar no twitter
Compartilhar no linkedin
Secretaria de Governo e Comunicação / PMU

A Superintendência de Proteção e Defesa do Consumidor (Procon) Uberlândia divulgou a quarta e última pesquisa de preços de pescados, realizada anualmente no período conhecido como Quaresma. O levantamento contemplou sete espécies de peixes, em oito estabelecimentos que comercializam o produto in natura. O levantamento foi realizado nos dias 10 de março, 1º, 8 e 12 de abril, para que o consumidor possa analisar qual o melhor local para a compra e a variação praticada no mesmo comércio em comparação com outros do mesmo setor.

Pelo levantamento do Procon, constatou-se que a maioria dos produtos manteve o mesmo preço nas quatro datas analisadas. A maior variação foi constatada no bacalhau (tiras ou pedaços) com 133,82% entre estabelecimentos diferentes. O quilo variou de R$68,00 a R$159,00. Outra alteração significativa foi no filé de tilápia, que pode ser encontrado por R$35,00 e R$57,90 o quilo, chegando à 65,43% a variação de preço.

Foram analisados os preços, por quilo, das espécies de tilápia e mapará (filé), surubim e tilápia (postas), bacalhau e salmão – selecionados por apresentarem maiores volumes de venda, segundo fornecedores do ramo. As espécies com os menores valores são a posta de tilápia (R$16,90) e filé de mapará (R$25,00).

“É importante pesquisar, para encontrar as melhores oportunidades de compra nesta semana, onde ocorre as maiores variações em função da sazonalidade. A pesquisa de preços é primordial para nortear o consumidor”, afirma o superintendente do Procon, Egmar Ferraz.

Confira a pesquisa completa clicando aqui.

O órgão não se responsabiliza por eventuais alterações nos preços.

Compartilhe:
Compartilhar no whatsapp
Compartilhar no facebook
Compartilhar no twitter
Compartilhar no linkedin

Veja Também