Teatro na Pandemia

Com a pandemia de COVID 19 uma das artes que mais depende da presença do público precisou fechar as cortinas e aguardar nos bastidores para finalmente poder voltar aos palcos.

Neste mês completa um ano que nossos teatros tiveram que ser fechados e público e artistas deixaram de se encontrar. Pelo menos da forma como a gente estava acostumada.

Mas o teatro é arte milenar. Já sobreviveu a outras guerras e desta vez não será diferente. Em meio a atual realidade muitos grupos precisaram se reinventar e não deixaram de criar e apresentar seus espetáculos.

Por meio de plataformas digitais foi possível recomeçar ensaios, criações, apresentações e o encontro com o público finalmente pode acontecer.

E para comemorar o mês do teatro o projeto Cultura em Casa convida 4 grupos da cidade que se aventuraram nessa desafiadora e inédita experiência

Lançamos a eles algumas perguntas:
Qual foi a primeira reação do grupo quando souberam que não poderiam realizar seus trabalhos presencialmente por algum tempo? O que motivou vocês a continuarem mesmo com o distanciamento social? Quais foram as dificuldades? Como foi adentrar no ambiente digital? Quais as diferenças, as limitações, as potencialidades entre o presencial e o digital? Como se aproximar do público neste formato? Mediado por uma tela de computador ou celular. Qual a importância da arte se manter ativa nos tempos em que vivemos? E como vocês acreditam que essa experiência poderá afetar o fazer artístico do grupo após o fim da pandemia? Convidamos a Trupe de Truões, Mito 8, Encantar e Confraria Tambor para compartilhar com a gente um pouquinho de suas experiências.

Dia do Circo

Nada melhor para fazer jus a essa data do que trazer alguém que se apaixonou pelo trabalho do circo e fez da sua vida um trabalho contínuo em prol da formação circense e a possibilidade de crianças e jovens participarem desse universo como desenvolvimento sociocultural.
Estamos falando de Daniel Vieira da Silva Brant e o projeto Circo da Vida em Uberlândia. Você não pode perder esse relato repleto de histórias e memórias do universo circense.

Dia Internacional do Teatro e Dia Nacional do Circo

O Dia Internacional do Teatro foi criado em 1961 e a ocasião foi marcada pela inauguração do Teatro das Nações, em Paris, no dia 27 de março daquele ano.

Por isso, preparamos para vocês um depoimento repleto de histórias e vivência teatral, fazendo com que possamos conhecer um pouco mais sobre essa arte que atravessa milênios.

A Trajetória da Dita Cuja

A história de uma nota de dez reais em seu curto tempo de vida de Nara Sbreebow

Malabares Para Todos

Bom dia Pessoal!!
Apresento a vocês esse vídeo interessantíssimo!!
Quer aprender a fazer seu próprio brinquedo de malabarismo?!
Então não perca a chance, e confere na íntegra o passo a passo que ensino nesta oficina.
Este projeto foi viabilizado pela Prefeitura de Uberlândia, contemplado pelo Edital Emergêncial – Edital SMC Nº 03/2020 – Seleção de propostas artísticas e culturais para apresentações no Município.
Projeto: Malabares para todos – Oficina de confecção de malabares e iniciação às práticas de malabarismo
Proponente: Alexander Reinaldo Coronel

OFICINA DE FANTOCHES – COMO FAZER FANTOCHES DE PREGADOR

MUNDO CIRCO SHOW

Treco Treco&Tralá-laCirco Show

Um pedaço de Teatro

Projeto Enquadros – Corta Jaca

Ficha Técnica
Atriz e cantora: Marianne Dias
Piano: Grazielle Almeida
Direção e encenação: Ernane Fernandez
Iluminação: Camila Ruth
Cinegrafia e edição de vídeo: Larissa Dardania
Engenharia de Audio: Tiago Port

Projeto Enquadros – Geni e Zepelim

Ficha Técnica
Atriz e cantora: Marianne Dias
Piano: Grazielle Almeida
Direção e encenação: Ernane Fernandez
Iluminação: Camila Ruth
Cinegrafia e edição de vídeo: Larissa Dardania
Engenharia de Audio: Tiago Port

Projeto Enquadros – Lua Branca

Ficha Técnica
Atriz e cantora: Marianne Dias
Piano: Grazielle Almeida
Direção e encenação: Ernane Fernandez
Iluminação: Camila Ruth
Cinegrafia e edição de vídeo: Larissa Dardania
Engenharia de Audio: Tiago Port

Arte por um fio, capilar! Uberlândia MG

Projeto Enquadros – Ciranda da Bailarina

Ciranda da Bailarina é uma música de Edu Lobo e Chico Buarque composta para a trilha sonora do balé O Grande Circo Místico, de 1983. A peça conta a história de cinco gerações dessa família que inaugura o Grande Circo Místico em 1910 aos dias de hoje. Celavi, o mestre de cerimônias que nunca envelhece, mostra as aventuras e os amores dos Knieps, do apogeu à decadência.

Ficha Técnica Atriz e cantora: Marianne Dias
Piano: Grazielle Almeida
Direção e encenação: Ernane Fernandez
Iluminação: Camila Ruth
Cinegrafia e edição de vídeo: Larissa Dardania
Engenharia de Audio: Tiago Port Realização: Moviola

Alegrilda e Farofina em: A procura da Floresta Perdida

Alegrilda e Farofina em: A Procura da Floresta Perdida – duas palhaças, aterrorizadas pelo contexto criado pela pandemia do COVID-19, resolvem fugir. O isolamento total, correndo do caos que se instaura em um momento sem precedentes, se torna a única opção. Será que elas irão conseguir encontrar esse lugar? Será que elas irão se encontrar?

O Coletivo D’Negritas surgiu em 2017 na cidade de Uberlândia e, Rose Martins e Tatiane Oliveira vem desenvolvendo trabalhos com a palhaçaria tentando responder/problematizar/criticar algumas situações enquanto palhaças, atrizes, mulheres e negras. Esse vídeo tem como estímulo o espetáculo criado em 2019 “Alegrilda e Farofina em: O mistério da floresta perdida” dirigido por Rafael Michalichem. No momento de distanciamento social, essa foi a forma de continuar o processo criativo e o vínculo das duas palhaças.

Esse vídeo foi realizado pelo EDITAL EMERGENCIAL DA SECRETARIA MUNICIPAL DE UBERLÂNDIA – EDITAL SMC Nº03/2020 – SELEÇÃO DE PROPOSTAS ARTÍSTICAS E CULTURAIS PARA APRESENTAÇÕES NO MUNICÍPIO.

Ficha Técnica: Elenco, direção e produção: Rose Martins (Farofina) e Tatiane Oliveira (Alegrilda)
Captação de imagens: Jonas Maravalhas e Leandro Alves
Edição: Leandro Alves

Nempalavras Nemcoisas (Um Rio) – INTEGRA