Secretaria de Cultura

Residência Chacur

Residência Chacur

Endereço: Rua Marechal Deodoro nº 52, esquina com Vigário Dantas nº 325.

  • Tombada como Patrimônio Histórico Municipal pelo Decreto nº 9.183 de 02/06/2003 – Alterado pelo Decreto nº 15.407, 13/01/2015. Registrado no Livro do Tombo Histórico, Inscrição VIII, pág. 11
  • Não há documentação que informe a data exata da construção do imóvel. No entanto, suas características arquitetônicas e o fato de sua primeira transferência de venda datar de 1927 indicam que sua construção se deu no início da década de 1920.
  • Os primeiros proprietários foram o Sr. Francisco Moyulba e sua esposa. Os proprietários seguintes foram o Sr. Setrack Naccachi e sua esposa e, em 1927, passou para Salomão Attiê & Cia. Em 1932, em consequência da dissolução da firma Salomão Attiê e Cia. e para o saldo de uma hipoteca, a residência foi vendida ao Sr. Aníbal Guimarães e sua mulher que, em 1934, a transferiram para o Sr. Miguel Jacob. Posteriormente, em 1936, a residência voltou às mãos da família Attiê, uma vez que o Sr. Jacob a vendeu aos filhos do Sr. Salomão Attiê, Jorge Salomão e Adib Salomão, ainda menores de idade.
  • Em 1944, o imóvel foi vendido para o Sr. Aladim José Bernardes, que a transferiu, em 1962, a Adel Elias El Rassi e Abrahim Elias Rassi. Neste período, efetivou-se uma divisão no imóvel, ficando uma parte com nove cômodos e a outra com sete. Enfim, em 1966, as duas partes do imóvel passaram para o Sr. Said Chacur e sua esposa, Sra. Albertina Chacur.
  • Com a morte do Sr. Said, seus herdeiros Sra. Albertina e seus filhos Bacima, Nádia, Nazira e Marco Antônio tornaram-se os responsáveis pelo imóvel. Em 1984, a residência passou por uma reforma, em que se acrescentou ao volume da cozinha uma varanda e uma garagem, e parte do piso foi trocado. Em uma das salas, o forro, anteriormente de madeira, foi substituído por um de gesso e algumas esquadrias também foram substituídas.
  • O imóvel situa-se em um terreno de aproximadamente 428 m2, nas esquinas das Ruas Vigário Dantas e Marechal Deodoro da Fonseca, no Fundinho. A residência possui, em sua fachada, características neoclássicas expressas pela clareza construtiva e por uma simplicidade formal. O ritmo mantido pela disposição das janelas e de outros elementos afirma tal peculiaridade.
  • O edifício foi construído no alinhamento do lote, tanto em relação à Rua Vigário Dantas como em relação à Rua Marechal Deodoro, sem afastamento frontal. Estão distribuídas nas fachadas nove janelas ornadas por arcos plenos, cujas bandeiras constituem-se de vidro pintado. Este mesmo ornamento aparece na porta principal da casa. Este imóvel, tendo e vista as suas particularidades se constitui importante exemplo de construção no século XX.
  • No ano de 2015 o imóvel foi vendido, passou por um processo de restauração de telhado, alvenarias e esquadrias para abrigar uma clínica de fisioterapia.