Notícias

Agentes de zoonoses passam a visitar imóveis aos sábados

Mudança visa reduzir a incidência de casas fechadas durante as visitas rotineiras; folga dos servidores foi transferida para as segundas-feiras
20 de janeiro de 2020
Compartilhar no whatsapp
Compartilhar no facebook
Compartilhar no twitter
Compartilhar no linkedin
Marco Crepaldi/Secretaria Municipal de Governo e Comunicação

A força-tarefa feita pela Prefeitura de Uberlândia para combater o Aedes Aegypti ganha mais um reforço. Com o objetivo de reduzir a incidência de imóveis fechados durante as visitas rotineiras, os servidores do Programa de Controle da Dengue têm uma nova escala de trabalho. Desde o último fim de semana, os agentes passaram a trabalhar aos sábados e terão folga às segundas-feiras.

alteração é mais uma ação do Centro de Controle de Zoonoses (CCZ) para reforçar o combate ao mosquito. O último Levantamento Rápido de Índices para Aedes aegypti (LIRAa), feito em outubro do ano passado, revelou que 84% dos criadouros são encontrados nos imóveis residenciais.

“Existe uma grande quantidade de domicílios visitados que os agentes não conseguem ter acesso porque nenhum morador está presente. Em alguns bairros, o trabalho de vistoria é finalizado com até 45% dos imóveis fechados. Já fizemos experiências que comprovaram que no sábado à tarde muitos moradores estão em suas resistências o que torna as visitas mais exitosas”, explicou José Humberto Arruda, coordenador do Programa de Controle da Dengue.

Uberlândia possui 74 bairros e 32 condomínios. A visita dos agentes consiste em identificar os criadouros, eliminá-los mecanicamente e tratar com larvicidas os que não são passíveis de eliminação. Por fim, a equipe orienta o morador para deixar a casa livre de qualquer possibilidade de reprodução do mosquito.  

As visitas dos agentes passam a acontecer de terça a sexta-feira, das 7h30 às 13h30, e aos sábados das 12h às 18h (podendo variar de acordo com a característica de cada bairro). A carga horária dos trabalhadores de 30 horas semanais será mantida, conforme define a lei, e a ação tem amparo legal, pois visa o bem-estar e interesse da população.  Para a segurança da comunidade, os servidores estão sempre uniformizados e com crachás de identificação. Em caso de dúvidas, basta ligar no 3213-1470.

Outras ações

Em 2019,  lançou o aplicativo “Udi sem Dengue”. A ferramenta é um novo aliado da população no combate ao mosquito, que permite que a população envie fotos, vídeos e mensagens de texto ou voz alertando as equipes do CCZ sobre possíveis criadouros do mosquito. O aplicativo já está disponível para download na loja da Google Play.

Além do canal direto com a população, o “Udi sem Dengue” também auxilia os agentes no combate ao mosquito, já que o aplicativo funciona como um gerenciador das ações, monitorando em tempo real as mais de 900 ovitrampas (armadilhas que permitem o rastreamento do mosquito) distribuídas na cidade, bem como as piscinas e reservatórios cadastrados para a inserção do peixe lebiste.

Além da dengue, o Aedes aegypti é o transmissor do zika vírus, da chikungunya e da febre amarela. Evitar qualquer situação em que possa haver acúmulo de água (por mínimo que seja, pois basta uma gota para as larvas do mosquito se desenvolverem) é essencial nessa luta. Manter uma boa higiene de quintais, calhas, comedouros e bebedouros de animais, lixo e recicláveis adequadamente acondicionados são algumas das atitudes que fazem a diferença.

Pratos de plantas, bandejas de geladeira, umidificador, ar condicionado, filtros d’água e garrafas retornáveis são alguns dos locais com focos do mosquito mais frequentes encontrados pelos agentes em residências.


Compartilhe:
Compartilhar no whatsapp
Compartilhar no facebook
Compartilhar no twitter
Compartilhar no linkedin

Veja Também